Voltar

SEIS ICONOCLASTAS CELEBRAM O MONOGRAMA

Neste ano, seis artistas e designers pioneiros aceitaram o convite da Louis Vuitton para celebrar o icônico Monograma.

Christian Louboutin cultivou seu amor pela feminilidade, além de certo fascínio pelas icônicas linhas de sapatos de salto alto. Após uma adolescência cercada pelo espírito da vida noturna parisiense e pelas dançarinas - seu primeiro emprego foi no cabaré Folies Bergeres, onde auxiliava nos bastidores – ele foi viajar pelo mundo. Cada uma de suas experiências transmite a estética do estilista até os dias de hoje. Tem sido um percurso iconoclástico para um designer de sapatos iconoclasta, que hoje é, possivelmente, o mais célebre do mundo, juntamente com sua marca registrada: a sola vermelha.

Desde meados dos anos 1970, Cindy Sherman redefiniu fronteiras como fotógrafa e cineasta. Mais conhecida por seus retratos fotográficos, em que ela própria assume o papel de diferentes indivíduos, tanto homens quanto mulheres, apresenta-se frequentemente como ícone, embora questione de forma iconoclástica os papéis femininos na mídia. Em 1995, recebeu o prestigiado MacArthur Fellowship, também conhecido como o “prêmio dos gênios”. Com várias exposições internacionais, incluindo uma retrospectiva no Museu de Arte Moderna de Nova York em 2012, Cindy Sherman é indiscutivelmente a maior artista viva.

Desde que iniciou sua carreira na arquitetura em Los Angeles, em 1962, Frank Gehry produziu alguns dos prédios mais importantes e prestigiados do mundo, os quais assumem o status de ícones de nossa era. Das surpreendentes reformas feitas em sua própria casa em Santa Mônica, que foi comprada e renovada em 1977, até o Museu Guggenheim de Bilbau em 1997, Frank Gehry vem redefinindo a paisagem arquitetônica. E ele continua fazendo isso com vários projetos prestigiados, incluindo seu outro projeto para a Louis Vuitton previsto para outubro deste ano, a Fondation Louis Vuitton, em Paris. Segundo a Vanity Fair, Frank Gehry pode ser considerado “o arquiteto mais importante da nossa época”.

O estilista e diretor criativo Karl Lagerfeld revolucionou a indústria com sua abordagem iconoclástica de forma a redefinir a moda e prever e compreender a importância do ready-to-wear, além de seu talento para revitalizar e reinventar marcas. Tendo começado sua carreira aos 17 anos, trabalhou para Pierre Balmain e depois para Jean Patou e Chloé, ao mesmo tempo em que mergulhava e ampliava seu conhecimento em história, arte, arquitetura, música e, especialmente, em artes decorativas francesas do século XVIII. Colaborando com a Fendi desde 1965, ele é o designer chefe e diretor criativo da maison Chanel desde 1983, além de ser dono de sua própria maison. Por todas estas razões, Karl Lagerfeld é tanto um verdadeiro ícone quanto um iconoclasta.

Tendo estudado escultura e design de joias, Marc Newson trabalhou em diversas áreas desde a aeroespacial e a tecnológica até a de móveis e moda. Seu percurso pode ser encarado como uma contribuição para sua abordagem iconoclástica, além de ser o motivo que o fez adotar um design emblemático nitidamente pessoal. Sua Lockheed Lounge, criada quando o designer tinha acabado de se formar na faculdade, com apenas 23 anos, tornou-se um dos verdadeiros ícones do design de nossa época.

Depois de ter estudado arte e literatura, Rei Kawakubo rapidamente mudou de rumo, trabalhando para uma empresa têxtil e, em seguida, tornando-se uma estilista autodidata. Fundou a marca Comme des Garçons em 1969, onde tem participação em todas as áreas do processo de criação, desde as etapas gráficas, a publicidade e os interiores das lojas até o design e a produção de roupas e acessórios. Em 1981, realizou seu primeiro, e hoje lendário, desfile da Comme des Garçons, em Paris. Após o alvoroço inicial, sua estética iconoclástica e seu amor pela cor preta mudaram para sempre a noção global de beleza na indústria da moda.

Saiba mais aqui.

Categorias: Monograma, Colaboração